Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Ninna’

Hello world!

Sou uma balzaquiana de 34 anos, paulistana, tão tagarela, mas tão tagarela que resolvi escrever um blog, para “falar” um pouquinho mais…

Vivi muitas vidas em uma, e ainda vivo assim. Quebrei regras, fui subversiva, contestadora, forte e incomum. É uma maneira meio louca, pouco convencional, mas para mim, é mais divertido assim. Poucas vezes na vida trabalhei durante o dia. Tomei uma inacreditável quantidade de decisões erradas na minha vida, mas tive a determinação de tentar ao menos, consertá-las, quando puderam ser consertadas.

Já fui da lama ao topo e do topo à lama incontáveis vezes. E sei que o mundo é redondo, ele me provou isso outras incontáveis vezes.

Já me fiz muito mal no passado e tive a auto-estima à sete palmos abaixo da terra por grande parte da minha vida.

Mas me re-descobri e o faço todos os dias. Descobri como é gostoso cuidar de mim e me amar de verdade.

Adoro livros, música, animais, viajar, trabalhar e sou viciada em cosméticos. Adoro principalmente maquiagem. Precisaria de mais alguns rostos pra realmente usar tudo o que compro.

Sou mulher acima de tudo, e como todas, um bocado louca (desculpem, eu acredito !). Tenho TPM, às vezes choro como um bezerro, às vezes como chocolate (que normalmente não gosto) como louca, e às vezes me torno uma homicida em potencial. Já acreditei que poderia sofrer de síndrome bipolar de humor, mas cheguei a conclusão que só sou mulher. E está tudo bem.

Sou leitora silenciosa de muitos blogs, de alguns, há anos. Amo as escritoras e escritores maravilhosos aí pela blogosfera. Há pessoas passando informação útil pra quem procura. E histórias da vida real. Meu google reader é uma maratona (mesmo!) deliciosa que faz meu dia mais gostoso. Então vai ser difícil as vezes não citar algum desses queridos cantinhos.

Amo a beleza externa tanto quanto amo a interna. Me preocupo com ambas.

Não tenho a pretensão de ser escritora, de ter leitores. Mas adoro escrever, e tenho tanto na minha cabeça (e na minha nécessaire) que pensei: porque não?

Read Full Post »